Localização Atual


A moeda norte-americana recuou 0,07%, cotado a R$ 4,9787. Já o principal índice acionário da B3 encerrou em queda de 0,05%, aos 126.863 pontos. Cédulas de dólar
Pexels
O Ibovespa, principal índice acionário da bolsa de valores brasileira, a B3, fechou em alta nesta quarta-feira (27), enquanto investidores avaliam novos dados de emprego e ficam de olho na dívida pública federal no Brasil.
Além disso, o mercado continuou a repercutir os últimos dados de inflação acima do esperado e a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BC), ambos divulgados ontem. Os balanços corporativos do dia também estavam sob os holofotes.
O dólar fechou em leve queda, depois de oscilar entre altas e baixas ao longo do dia.
Veja abaixo o resumo dos mercados.
Dólar
O dólar teve queda de 0,07%, cotado a R$ 4,9787. Veja mais cotações.
Com o resultado, acumulou:
queda de 0,40% na semana;
ganho de 0,13% no mês;
avanço de 2,60% no ano.
No dia anterior, a moeda norte-americana teve alta de 0,19%, cotado a R$ 4,9939.

Ibovespa
O Ibovespa fechou em alta de 0,65%, aos 127.691 pontos.
Com o resultado, acumulou:
alta de 0,52% na semana;
queda de 1,03% no mês;
recuo de 4,84% no ano.
Na véspera, o índice teve queda de 0,05%, aos 126.863 pontos.

Entenda o que faz o dólar subir ou descer
DINHEIRO OU CARTÃO? Qual a melhor forma de levar dólares em viagens?
DÓLAR: Qual o melhor momento para comprar a moeda?
O que está mexendo com os mercados?
Nesta quarta-feira (27), as atenções estão voltadas para novos dados econômicos brasileiros.
No principal, divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego, o país criou 306,1 mil empregos formais em fevereiro deste ano. O número representa uma melhora em comparação ao mesmo mês do ano passado, quando foram gerados 252,5 mil empregos com carteira assinada (valor ajustado), um aumento de 21,2%.
Fora os destaques do dia, o mercado também continua a repercutir a divulgação, na véspera, de dados importantes no Brasil, como a prévia da inflação de março, medida pelo IPCA-15, que veio acima do esperado pelos analistas.
O indicador subiu 0,36% no mês, contra a expectativa de 0,32%. A alta mais uma vez foi puxada pelos alimentos, com o grupo de Alimentação e Bebidas tendo registrado um avanço de 0,91% — impacto de 0,19 ponto percentual no índice geral.
Mesmo com a alta, o IPCA-15 ainda teve uma desaceleração de 0,42 p.p. na comparação com fevereiro, quando registrou avanço de 0,78%. Em março de 2023, o IPCA-15 foi de 0,69%. Em 12 meses, o IPCA-15 acumulou 4,14%.
Para Nicolas Borsoi, economista-chefe da Nova Futura Investimentos, o resultado mostra que o IPCA-15 “não só veio acima (do esperado), como a abertura também continua ruim”,
“Na média de três meses anualizada, os serviços subjacentes aceleraram para 5,8%; nos industriais, praticamente zerou e, nos alimentos, o indicador acelerou para 5,4%”, explica o economista.
Essa perspectiva ajudou a explicar, também, outra divulgação importante de ontem: a ata do Copom. O Banco Central (BC) sinalizou que deve ser mais ponderado com os próximos cortes na taxa Selic, hoje em 10,75% ao ano, por conta das incertezas que rondam o cenário de inflação.
“Alguns membros argumentaram ainda que, se a incerteza prospectiva permanecer elevada no futuro, um ritmo mais lento de distensão monetária (de corte dos juros) pode revelar-se apropriado, para qualquer taxa terminal que se deseje atingir”, disse a instituição.
O Copom promoveu seis cortes consecutivos de 0,5 ponto percentual nos juros. Com isso, a taxa Selic caiu de 13,75% ao ano em junho do ano passado para os 10,75% ao ano na reunião da última semana.
source

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Obrigado!

Recebemos sua mensagem com sucesso e nossa equipe entrará em contato em breve.