Localização Atual

Maior feira agropecuária do interior do Mato Grosso do Sul, a 58ª Expoagro começou oficialmente nesta sexta-feira (10/5), com a missão de mostrar a potencia do agronegócio na região, mesmo com a crise no setor, que sofre os efeitos do momento delicado na economia mundial, devido às guerras internacionais, além da recente tragédia no Rio Grande do Sul, que afeta diretamente a economia e a produção agrícola de todo o país e as questões de insegurança jurídica.
Durante a solenidade de abertura da Feira, realizada na noite de ontem no auditório do Parque de Exposições João Humberto de Carvalho, esses foram os temas que nortearam os discursos das autoridades presentes, que destacaram os números da atual safa da soja, que sofreu perdas relevantes. 
Conforme os dados do projeto da Aprosoja, Siga MS, que monitora as lavouras de soja e milho, desde o plantio até a colheita, na safra de soja 23/34 houve uma queda de 22% na produtividade, passando de 61 sacas por hectare para 48 na atual safra, sendo que em Dourados essa redução foi de 17.73%, com redução de 54.43 sacas por hectare para 44.78 sacas. “Essa queda na região de Dourados representa uma redução de mais de R$ 3.540.000.000,00, afetando a capacidade de fluxo de caixa dos produtores e influenciando em outros setores”, afirma Jorge Michelc, presidente da Aprosoja-MS.
Em seu discurso, Angelo Ximenes, presidente do Sindicato Rural de Dourados, aproveitou para pedir apoio das autoridades políticas para o setor do agronegócio diante do atual cenário e reforçou a relevância de feira como a Expoagro para os homens e mulheres do campo.
“Diante desse cenário desafiador, a Expoagro se torna mais do que uma simples feira de negócios. Ela se transforma em um oásis de esperança, um ponto de encontro onde os produtores podem encontrar apoio, informação e inspiração para enfrentar os desafios que se apresentam. Ao agregar shows, palestras e feira de negócios, oferece oportunidades únicas de aprendizado, networking e negócios para nossos agricultores, ajudando-os a encontrar soluções para os problemas que enfrentam em seu dia a dia. nossa expectativa é de repetir o volume de negócios do ano passado movimentando a economia de R$ 950 milhões. Também esperamos receber 150 mil pessoas durante os 10 dias de feira”, afirma. 
As enchentes que atingiram o Rio Grande do Sul, um dos maiores produtores agrícolas do país, afetam diretamente no abastecimento nacional, bem como na economia. Apesar deste a solidariedade da população, tem feito a diferença na vítima da catástrofe nacional.
“Ser douradense é ser um pouco de gaúcho, um pouco de paulistas, paraguaio, e tantas outras pessoas que ajudaram na construção da nossa cultura e que vieram para cá, muitas vezes, motivados pelas oportunidades no agronegócio. O povo douradense tem mostrado mais uma vez o quanto é solidário e com isso, a Prefeitura já enviou, em parceria com a Azul, mais de 6 toneladas de donativos nosso irmão gaúchos”, ressalta o prefeito de Dourados, Alan Guedes.
Alan ainda destacou os diversos incentivos que o munício tem feito aos produtores rurais da região, principalmente com as parcerias com a Famasul e o Sebrae, que já atendeu centenas de famílias.
Também em parceria com o Sindicato Rural, a Prefeitura retoma o gabinete itinerante dentro da Expoagro, de onde o prefeito irá despachar ao longo da Feira, podendo ficar mais próximo dos profissionais e produtores da região.
“O Sebrae está aqui há mais de 24 anos e, desde então, participamos de todas as edições da Expoagro. Quero ressaltar, prefeito Alan Guedes, a parceria da Prefeitura com o Sebrae desde 2021, através do programa Cidade Empreendedora, onde foram realizados mais de 70 mil atendimentos em Dourados e mais de 15 mil empresas auxiliadas, muitas delas no campo, na agricultura familiar, no fornecimento de produtos para a merenda escolar, entre outros”, disse o diretor-presidente do Sebrae, Claudio Mendonça.
Eduardo Riedel, governador de Mato Grosso do Sul, também citou os desafios do agronegócio, reforçando o poder do produtor de rural de se manter firme em momentos de crise.
“Nós temos uma guerra no coração da Europa, outra no oriente médio afetando a geopolítica mundial, tivemos uma pandemia, temos uma crise humanitária gravíssima no Rio Grande do Sul e um ambiente ruim para os grãos em vários estados brasileiros. Eu já vivi momentos ruins da atividade produtiva, mas o produtor rural está sempre olhando para o horizonte, e nós não podemos perder o horizonte de vista. O agro brasileiro fez seu dever de casa, investiu em tecnologia, tem capacidade para entregar o que é demandado, está sempre se reinventando, e no Mato Grosso do Sul temos sido destaque nesses pontos e na sustentabilidade. Viva a resiliência do produtor rural, viva a Expoagro, parabéns Dourados e vamos em frente”, finaliza.
A 58ª Expoagro segue até o dia 19 de maio, no Parque de Exposições João Humberto de Carvalho, com vasta programação técnica, shows nacionais e a cobertura oficial do Agro DNews, com uma redação especial, montada no interior da Feira, para levar ao leitor tudo o que acontece nesse que é um dos principais eventos do agronegócio do Brasil.
 

source

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Obrigado!

Recebemos sua mensagem com sucesso e nossa equipe entrará em contato em breve.